BNY Mellon, banco mais antigo dos EUA, oferecerá custódia de bitcoin

Compartilhe esse post

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

O banco mais antigo da América, BNY Mellon, irá oferecer gestão de bitcoin e outras criptomoedas para seus clientes. Segundo o Wall Street Journal, o banco fará custódia e transferirá Bitcoin e outras moedas digitais.

“O BNY Mellon tem orgulho de ser o primeiro banco global a anunciar planos para fornecer um serviço integrado para ativos digitais, como o Bitcoin”, afirmou Roman Regelman, CEO de serviços e chefe digital da instituição, em comunicado à imprensa.

De acordo com o relatório, o banco planeja permitir que as criptomoedas fluam pelos mesmos sistemas que usa para suas moedas e ações tradicionais. Ela criou um protótipo para fazer isso e está interagindo com os clientes para ver se eles desejam usá-lo.

Regelman disse que o banco planeja tratar as criptomoedas da mesma forma que os ativos tradicionais. Isso mostra que, em vez de existir fora do sistema, as criptomoedas podem funcionar junto com o sistema financeiro atual.

Bitcoin como ativo mainstream

O Bitcoin recentemente passou por uma transição de um ativo de nicho para o mainstream, liderado por instituições. Com a falta de um Bitcoin ETF, a Grayscale Investments vem preenchendo a lacuna, fornecendo aos investidores institucionais uma forma regulamentada de obter exposição ao Bitcoin e outras moedas, por meio de seus fundos.

Além disso, as empresas começaram a colocar Bitcoin em seus balanços. A MicroStrategy começou a tendência e agora tem um saldo de cerca de US$ 3 bilhões em Bitcoin. No início desta semana, a Tesla anunciou que havia seguido o exemplo, com uma compra de Bitcoins de US $ 1,5 bilhão. Ambas as compras deixam claro que o Bitcoin é muito grande para os bancos ignorarem – e algo que eles estão começando a abraçar.

Vale lembrar, contudo, que o BNY Mellon já trabalha com a startup voltada ao mercado de criptos Bakkt para fornecer a segurança da custódia de moedas virtuais ou “o armazenamento geograficamente distribuído” , com o intuito de garantir a segurança de chaves privadas.

“A crescente demanda dos clientes por ativos digitais, a maturidade de soluções avançadas e a maior clareza regulatória apresentam uma grande oportunidade para estendermos nossas ofertas de serviços atuais a esse campo emergente”, salientou Rogelman.

Leia também:

Compartilhe esse post

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Assine nossa newsletter

Fique por dentro das novidades do mundo cripto e outros investimentos.